Uso do Antigo Testamento Grego pelos Cristãos Primitivos (Parte 1)

0Pergaminho

Neste Artigo, eu apresento a todos os que estão em Cristo Jesus, uma refutação minha a uma  certa objeção católica, muito usada por determinados romanistas em favos dos livros apócrifos. O argumento que visualizaremos agora aqui é a seguinte:

A Septuaginta continha os Apócrifos, e de fato Jesus e os Escritores do Novo Testamento a usarão porque a certas menções dos livros apócrifos no N.T. E de fato é a versão mais citada pelos escritores do Novo Testamento. E isso da apoio ao Cânon Alexandrino, pois a LXX é mais amplo que o Cânon Palestino.”

RESPOSTA: – E Daí que os Apócrifos estavam inseridos na LXX, isto só mostra que os Judeus alexandrinos traduziram do Hebraico para o Grego os outros escritos religiosos judaicos ao lado dos livros canônicos. Eu alisto três Parâmetros para responder essa questão:

1º Alexandria só foi o lugar da Tradução e não da Canonização.

2º Septuaginta só é uma Tradução apenas.

3º Os Judeus da Palestina não estavam de acordo com o Cânon Alexandrino.

Eu diria que na verdade existem trechos dos apócrifos no Novo Testamento, mas isto não quer dizer que sejam canônicos. Entretanto os cristãos a usavam a Septuaginta que era Bíblia deles naquele tempo, mas não usavam com canonicidade.

A Septuaginta continha catorze livros apócrifos do Antigo Testamento, que para os judeus da dispersão eram livros considerados Escrituras Sagradas, antes do Concílio de Trento a Igreja Católica Romana aceitava todos os livros da Septuaginta, depois deste Concílio realizado em 1546 ela passou a aceitar apenas 7 livros e alguns acréscimos a Ester e a Daniel. Enquanto que o Cânon Protestante manteve-se idêntico ao Cânon Palestino (Hebraico) que consiste em nossos trinta em nove livros do Antigo Testamento.

Primeiro temos que saber que o lugar Alexandria, foi apenas uma tradução do hebraico para o grego. Mas é na Palestina é que era o lugar do cânon Judaico, lá era o lugar da canonização e não Alexandria no Egito.

Mas mesmo assim os romanistas insistem em dizer que Jesus e os escritores do Novo Testamento usarão a LXX, mas na verdade é que jamais citaram algum livro apócrifo do A.T, uma referência que eles fazem é Hebreus 11:35 com II Macabeus 7:12, que também pode ser uma referência a I Reis 17:17-24 e II Reis 4:25-37. Os romanistas também eles gostam de citar os Pais da igreja como admitindo que eles a usavam no seus escritos. Mas vejamos o que o Especialista nos Apócrifos nos diz abaixo.

Roger Beckwith observa:

Quando examinamos as passagens nos primeiros pais que supostamente deveriam estabelecer a canonicidade dos apócrifos, descobrimos que algumas delas são tiradas do texto grego alternativo de Esdras (lEsdras) ou de adições ou apêndices de Daniel, Jeremias ou algum outro livro canônico, e que […] não são muito relevantes; descobrimos ainda que outras não são citações dos apócrifos; e que, dentre as que são, muitas não dão qualquer indício de que o livro seja considerado Escritura’’

Além disso muitos teólogos católicos admitem que as cenas nas catacumbas não provam a canonicidade de tais livros, mas apenas mostra que os eventos religiosos registrados tinham para os Cristãos Primitivos. Um análise interessante é que foi Deus (por meio de Inspiração) que causou as Escrituras, e não há Igreja.

Abaixo veja as breves considerações em relação ao Cânon e a Igreja.

Posição Incorreta sobre o Cânon Posição Correta sobre o Cânon
A Igreja determina o cânon A Igreja descobre o cânon
A Igreja é mãe do cânon A Igreja é filha do cânon
A Igreja é magistrada do cânon A Igreja é ministra do cânon
A Igreja regula o cânon A Igreja reconhece o cânon
A Igreja é juíza do cânon A Igreja é testemunha do cânon
A Igreja é mestra do Cânon A Igreja é serva do cânon

Concílio de Jâmnia

Como se muito se diz por aí, navegando pela internet você vai encontrar certos romanistas, dizendo que a conclusão do Antigo Testamento se deu no Concílio de Jâmnia (90 d.C). Eles a consideram que neste concílio foi definido o a seção de ‘’Escritos’’ que ainda não estava completo. Entretanto para os judeus, não houve um concílio autorizado, realizou-se apenas uma reunião de especialistas. Assim, não houve um oficial, nem corpo de oficiais dotados de autoridade, a fim de reconhecer o cânon. Por isso, não houve uma canonização dos livros em Jâmmia

Entretanto aqui já deixa claro que não foi o Concílio de Jâmnia que definiu, até porque só foi uma reunião entre os judeus, não foi a Septuaginta até porque é apenas uma tradução, e nem sequer Jesus e os escritores do N.T a citaram, apesar de ter menções não significam que tinham alguma autoridade, e muito menos a Igreja Católica Romana que definiu os livros como eles queiram. Mas creio que foi Deus por meio do Espírito Santo que selecionou desde o começo os nossos 39 livros do A.T.

Para todos os que estão em Cristo Jesus.

Por Jean Carlos: (Apologia Bíblica)

Anúncios

2 comentários sobre “Uso do Antigo Testamento Grego pelos Cristãos Primitivos (Parte 1)

  1. Pingback: O Uso do Antigo Testamento Grego pelos Cristãos Primitivos (Parte 2) | Apologética Bíblica

  2. Pingback: Uso do Antigo Testamento Grego pelos Cristãos Primitivos (Parte 2) | Apologética Bíblica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s